quarta-feira, janeiro 16, 2008

Entranhas Amargas

Acho que morri em algum lugar por aí
Minhas tripas estão em algum lugar por aí
Foi uma morte cruel que não lembro
E finalmente morri

E só fui avisado sobre minha morte
Pelas aves de rapina
Que reclamaram do gosto sofrido e amargo
Das minhas entranhas

- Tem gosto de jurubeba! - diz um abutre.
- Não, ele tem gosto de café torrado! - discorda o urubu com uma ferida no pescoço.
- Sem essa, gente, ele tem gosto de casca de limão! - diz o condor.
- Ô, ô! Calma aê! - eu interrompo - Que putaria é essa?

Olhem onde cheguei
Morto por não-sei-o-quê
E as aves de rapina confabulando sobre meu sabor
Eu não esperava por isso
Não queria que fosse assim

Mas meu corpo ainda mexe
Eu sinto
Mas algo está morto em mim
Eu sinto
Que diabos está acontecendo?

2 comentários:

Loira disse...

Antes fosse assim, sabe. Você e Lord Byron eram muito negativos para pessoas com tantos privilégios assim. Imagine só, morrer assim sem nem perceber e ainda ser apreciado por alguém mesmo em forma de cadáver! Existem pessoas por aí que tentam e tentam, mas não adianta, estão destinadas a viver, sabia? Mas não viver como os outros, e sim viver no meio da podridão dos seus pensamentos involuntários e do vazio que nunca poderá ser preenchido com fofoca de novela. Orgulhe-se das suas tripas expostas aos urubus, querido.

camillanakano disse...

triste porém bonito...
te amo ♥