quinta-feira, janeiro 31, 2008

A Besta

- Eu sou honesto, rapaz! Sou evangélico, jamais faria isso! – gritou Aristeu
- Eu to pouco me fodendo pra sua religião – tentei menosprezar – só quero saber onde diabos você colocou a merda da conta que eu paguei agora à tarde!
- Pelo amor de Deus, Fernando! Você está possesso!

Eu estava de costas para ele, e ao ouvir sua constatação em relação à minha condição, me virei repentinamente:

- Ah! Não vem com essa! Você não é santinho! Aliás, sei de muita coisa que faria sua igreja entrar num vômito coletivo de tanta sujeira e pecado! Se liga, hein? Agora, cadê a joça da conta?
- Você é igual ao diabo! Só sabe acusar! O acusador dos filhos de Deus! Eu sou carne como você, eu peco como qualquer um!
- Corta essa, Aristeu! Vai se foder! E que se foda sua condição humana, só não venha bancar o santo comigo, certo? Até parece que só porque entrou na igreja, tá tudo perdoado, tudo limpo... se liga, porra! Passa a conta que eu paguei, vai!
- Olha só, eu sou sujeito aos mesmos erros que qualquer um, só que a diferença é que eu não vivo pecando como você! Eu posso pecar, mas Jesus limpou meu coração e hoje minha essência não é pecaminosa!

Eu sabia que ia começar a mesma discussão. Qualquer desentendimento toma esse rumo, o religioso. Acendi um cigarro rapidamente, puxei a fumaça e soltei rapidamente, fazendo barulho de sopro.

- Caralho! Do quê você está falando? Pára com essa porra de essência pecaminosa! Você se acha livre, né? “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”! Mas a verdade é que quem lê a bíblia, se torna prisioneiro da concepção do pecado, afinal, tudo é pecado e quando você nota, está preso dentro da mentalidade moralista de que tudo está errado e de que você deve evitar tudo que o leva a pecar, logo você se isola do mundo, esquece de todos os pecadores –
que embora pequem – te querem bem! Essa é a liberdade? – questionei com tom irônico – E pára com essa merda de assunto e me dá a conta!
- Olha aqui Fernando, você tem o direito de pensar o que quiser, mas não pode ficar gritando tantos absurdos! Do quê você está falando? Jesus com sua morte nos lavou com seu sangue! Deus foi tão bom que mandou seu único filho para salvar o mundo! Leia na bíblia! Livro de João, capítulo 3, versículo 16! Deus é amor! – Aristeu gritava exaltado, dando tapas em sua bíblia.
- Aristeu, quem disse que Deus é bom? Será que vocês são tão cegos assim? Será que ignoram o velho testamento, quando ele pedia animais para sacrifício? Quando ele matava gente de outros povos só pra favorecer o seu povo? – sinalizei com as mãos fazendo sinal de “entre aspas” – Porra! Ele cria a humanidade inteira e escolhe só um povo pra reinar sobre? Caralho, ele não é o Deus, criador do Universo? – eu já estava aos berros com o filho da puta – e em nome de Deus, me dá a conta que eu paguei!
- Olha só Fernando, você me decepciona com tantas blasfêmias... Quanta ignorância, rapaz! Eu nunca vi alguém falar tanta besteira em tão pouco tempo! Amigo, você precisa de Jesus! Por que você não vai pra igreja, um dia só? Você vai gostar! O louvor é legal, eles tocam guitarra...
- Só porque tocam guitarra significa que é legal? O Calypso toca guitarra e... – tentei interromper mas logo fui interrompido.
- Deixa eu terminar de falar! Então, você devia ir a igreja! Na boa, minha vida melhorou muito depois que fui lá... O pastor é atencioso, os irmãos vão te acolher!
- A gente já combinou que você não me convidaria novamente, lembra? Eu não toco meus pés numa igreja, a não ser que seja pra entrar atirando!
- Meu Deus! Sabe de uma coisa? Vou orar por você! Você não sabe que o meu Deus é o Deus do impossível?

De repente um silêncio se instalou. Olhei com cara de descrença para Aristeu e joguei o cigarro pela janela.

- Impossível é alguém ser tão burro como você, Aristeu. Era impossível há pouco tempo, mas Deus te fez burro! Hahahaha! Agora sim eu creio nesse Deus!
- Pode debochar, rapaz. Mas um dia você vai se livrar do mau! Toda a maldade que vem de Satanás seja repreendida, em nome de Jesus! – vociferou com a mão direita estendida em minha direção, enquanto a mão esquerda mantinha a bíblia pesada junto ao peito dele.
- Maldade! O que é o mau? Você já tentou raciocinar? Depois que você entrou na igreja, você se esforçou pra questionar o que não tem explicação? Siga o raciocínio: Lúcifer era um querubim perfeito, era a tradução da concepção de Deus sobre a perfeição, correto?
- Correto, mas ele se revol...
- Não me interrompa, porra! Vamos lá: Ele era perfeito e não havia maldade no céu, tudo era perfeito. Aí eu pergunto: de onde veio o mau, a inveja que fez Lúcifer se rebelar contra o criador e pretender tomar seu lugar? Já pensou nisso? Quem fez Lúcifer se rebelar? Quem era “o mau” naquele tempo? E porque Deus não destruiu Lúcifer pra cortar o mal pela raiz?

Novamente silêncio. Apliquei-lhe um nocaute moral com esse argumento, mas como um lutador fraco e cego, que não tem noção do perigo, ele se levantou e continuou o embate.

- Amigo... você não sabe o que fala... A sabedoria de Deus é loucura para os homens!
- Então é isso que você me responde?
- É sim. Vocês nunca entenderão.
- E você entende? Você entende sobre as eras passadas e o que ocorreu para que Lúcifer desenvolvesse a maldade que na época era inexistente? Afinal, você deve manjar da sabedoria de Deus, né?

Incrível, mas eu o visualizava colocando uma venda invisível em seus próprios olhos.

- Deixe de ironia, Fernando. Isso não vai me abalar!
- Ah, claro! E cadê a conta que paguei? Incrível como qualquer conversa com você termina em discussão religiosa, vai se foder!
- Pare de me ofender! Estamos em um debate civilizado!
- Debate? Só eu questiono! Você não tem explicação pra nada, apenas diz “a sabedoria de Deus é loucura para os homens”!
- E quer que eu diga o quê?
- Mano, às vezes o silêncio é o melhor discurso.
- Ora, você só sabe questionar minha crença!
- E você só sabe falar de sua crença! E por Deus, cadê a conta?
- Olha aqui Fernando... Eu gosto de você, quero seu bem. Jesus tem propósitos para a sua vida!
- Ah sim! O mesmo propósito que Deus tinha ao criar Adão e Eva, colocá-los pelados num jardim, com a inocência de uma criança e com o diabo malicioso silvando pelas árvores, pronto pra fazê-los pecar! Aí Adão e Eva pecam, e Deus aponta o dedo gordo e divino dele na cara dos dois e diz: pecadores! Depois os expulsa do jardim, amaldiçoando a mulher com a dor do parto e o homem com a dor do trabalho. Aí deixa a merda rolar pelo mundo, com Caim matando Abel, fazendo dele o primeiro assassino e pai de um povo violento e pecador. Aí Deus em toda sua perfeição e propósito perfeito, se arrepende de sua criação e diz que vai afogar todo mundo num dilúvio! Que maravilha! – gritei batendo palmas – Deus tem um propósito! Aí ele se arrepende de se arrepender e salva apenas uma família, a família de Noé. O resto que se foda nas águas, né?

Agora eu visualizava Aristeu furando seus próprios olhos.

- Fernando, tudo que Deus fez foi por amor!
- Aristeu, vai tomar no seu cu! Eu estou aqui há tempos te falando a verdade e você vem dizer que um marginal divino – vulgo Deus – fez tudo isso por amor? O mesmo amor que fez Deus permitir que o diabo pintasse e bordasse com a vida do paciente e cabaço Jó? Só pra provar a fé dele? Isso é amor? Matou a família dele, os empregados, os rebanhos e ainda mandou um monte de doenças pro corpo dele! Aí no final da estória, Deus o restitui com o dobro. Mas e a mulher dele que morreu? Poderia ser substituída? Isso prova que os homens pra Deus não são nada! São todos um bando de peças substituíveis!
- Não há como sondar a mente de Deus. Ele é diferente de todos nós! – Aristeu disse com olhar de superioridade.
- Ele não é diferente, Aristeu! Nós somos a imagem e semelhança dele, não é? Moisés quem criou Deus! Ele criou Deus para manter aquele bando de escravos hebreus dentro de um bando de leis! Aliás, foi Abraão que inventou toda essa putaria e Moisés resgatou toda essa farsa!
- Abraão foi um homem abençoado! Não fale isso!
- Não adianta, né? É tanta cegueira que não adianta! É o mesmo que tentar explicar como é o vermelho para um cego de nascença! Cadê a merda da minha conta? Eu preciso dela pra comprovar o pagamento!
- Fernando, você é um homem inteligente, mas de tanto ler, você se tornou cético, incrédulo! Mas Deus vai operar em sua vida, pode apostar! Eu declaro a benção de Deus sobre sua vida! – novamente o disse com a mão direita estendida em minha direção.
- Aristeu, corta essa! Enfia essa mão direita no seu cu! Quem disse que você pode declarar algo? Quem te deu essa autoridade?
- Jesus! O nome dele tem poder!
- Ta bom, você realmente acha que pode fazer isso?
- Sim, em nome de Jesus podemos fazer tudo!
- Ah sim! E eu declaro que você agora é do diabo! – esbravejei com os dedos fechados, exceto o indicador e o mindinho que ficaram levantados fazendo o sinal do diabo.
- Ta amarrado em nome de Jesus!
- Ta amarrado porra nenhuma, Aristeu! O diabo que te carregue! Hahahaha!
- Incrível. A gente abençoa uma pessoa e recebe uma maldição de volta!
- É assim com seu Deus! Você o adora mas se cometer um pecadinho, está sujeito a queimar o rabo no inferno!

Finalmente visualizava o cérebro dele escorrendo pelos buracos dos olhos.

- Não é assim, Fernando! Não é!
- Ta certo. Cadê a conta?
- Tudo isso é graças a essa internet, toda essa liberdade de expressão, todo mundo escrevendo o que pensa! E você caiu na deles!
- Não Aristeu, eles caíram na minha. Eu sou o maldoso que escreve. Eles lêem.
- Bem que a bíblia estava correta. A marca da besta era simbólica.
- E o que tem a ver isso com a internet? Vai dizer que é o meio de comunicação do anticristo?
- Também. Mas pense: no Apocalipse está escrito que a marca da besta seria colocada na testa ou na mão direita. Na testa é a luz do monitor e na mão direita, o mouse! Eu sabia! O pastor estava certo!- Que diabos...-Tire esse computador da sala e coloque no seu quarto! Não quero a besta reinando nos espaços por onde eu ando! – fui interrompido.
- Oh! – gritei fingindo susto – Se eu colocar a besta dentro do quarto, ela se torna inofensiva?
- Não importa, só não quero vê-la!
- Ta certo, então você vai fazer o quê em relação às imagens católicas que estão pelas ruas? Mandar guardar num quartinho também?
- São casos diferentes!
- Casos diferentes é o caralho! Eu também pago aluguel, o computador fica na sala! E falar em pagar aluguel, dá a minha conta agora!
- Não admire se seu computador estiver com óleo consagrado na igreja! Vou consagrar esse computador para o Senhor!
- Ah sim! Da mesma forma que você consagrou o computador com aquelas punhetas quando te peguei vendo um site de putaria?
- Lá vem o acusador! – Aristeu fez cara de desprezo.
- Não quero te acusar, até porque pra mim isso é normal. Orgia pra mim é normal, heroína com crack pra mim é normal. Quero que tudo se foda, mas não venha com falso moralismo. Como você é cínico!
- Fernando, aquilo é passado. Eu já pedi perdão pra Deus. Ele me perdoou, afinal, ele é fiel e justo para nos perdoar de todo o pecado e nos purificar de toda iniqüidade!
- Crente é tudo a mesma bosta, né? Sempre tem um chavão bíblico pra tentar escapar das merdas! Sua essência é pecaminosa! Você bate punheta aí enfrente ao computador quase todos os dias, aí com a mesma mão que manipulou a pica, você manipulou a bíblia.
- Mentira! Mentira! Ta amarrado o acusador! – gritou com os dedos indicadores tapando os ouvidos.
- Agora você não quer ouvir, né? Puta merda, que raiva! Aristeu, você me cansa com esse papo! Cadê a conta?
- Eu te canso? Vou te cansar até que você vá pra igreja! Já leu a parábola da viúva e o juiz?
- Eu já li a bíblia de cabo a rabo, bem mais vezes que você! Não vem com essa. Sua perseverança não vai adiantar. E cala a boca! Crente chato de merda! CADÊ A CONTA?
- As pessoas sentem falta de você lá no grupo de jovens!
- As pessoas sabem que você bate punheta antes de ir pra igreja?
- Eu fui comprado com o sangue precioso de Jesus!
- Ah sim! Jesus, o filho burro de Deus! - O quê?!- Um dia Deus disse: filho, meu único filho, você pode morrer pelo pecado de todas essas pessoas que criei? Jesus deve ter respondido: pai, por que o senhor não aniquila o mau de vez? Por que tenho que morrer pra absorver todo o pecado do mundo? Deus respondeu: porque eu sou complicado, porque eu quero espetáculo, eu quero emoção! Jesus responde: mas Pai, manda um anjo! Ele poderia morrer pelo pecado de todos! Por que eu? Deus reponde: porque todo mundo dirá: como Deus sofreu ao ter que enviar o único filho pra morrer! Jesus responde: então por que o senhor não desce? E Deus finalmente responde: cale a boca e se prepare pra entrar no bucho de uma virgem!

Aristeu se ajoelhou com olhar complacente e piedoso, e ergueu seu rosto para cima:

- Senhor, não considere o que ele fala neste momento! Perdoa o seu pecado, ele não sabe o que fala!
- Oh! Eu não sei o que falo? Fora da igreja não há inteligência! Oh! – respondi com ironia.
- Fernando, não diga mais nada, para não piorar a situação espiritual.

Em todo esse tempo, nós permanecemos em pé. Até que peguei um copo, enchi dois terços dele com whisky e sentei no sofá. Aristeu permanecia de pé com a bíblia firmemente guardada em seu peito. Eu cruzei as pernas, levantei o copo e brindei:

- Ao amor de Deus! Deus é amor! Paz na Terra! Aleluia! Aleluia, caralho!
- Fernando, Fernando. Deus é misericordioso. Mas não é burro.
- Ah não, claro que não – respondi com sarcasmo estampado em cada palavra.
- Eu vou colocar uma música aqui. Peraê.
- Se colocar essas porras de gospel eu quebro o CD e a sua cara!
- Eu tenho o direito de ouvir o que quiser! Eu pago o aluguel!
- Foda-se, eu tenho o direito, ou melhor, o dever de quebrar sua cara!
- Espírito de violência, eu te repreendo em nome de Jesus!

Dei um gole mais longo até o whisky acabar e joguei o copo na parede. Rajadas de cacos de vidro cortavam o ar.

- Fernando, vou chamar a polícia!
- Oh! O que aconteceu com o nome de Jesus? Porque ele não me impediu de quebrar o copo?
- Não brinque com o nome de Jesus!
- Ah! Pro diabo com o nome de Jesus! Cadê a minha conta?
- Como você fala besteira! Mais uma dessas e chamo a polícia!

Levantei, me apoderei da garrafa de J&B e a levei para beber ali no sofá.

- Sem essa, Aristeu! Como você é chato, que inferno! Eu não sei como ainda moro aqui!
- Eu sou o seu ponto de equilíbrio, Fernando – me respondeu com olhar soturno.
- Papo de veado! Pode parando com essa merda! Você é meu lado burro e cego!

Aristeu se afastou, deixou a bíblia numa cadeira e foi ao banheiro. Após alguns segundos, tocou a descarga e saiu do banheiro.

- Você precisa de mim e precisa parar de beber!
- Não. Não preciso de você, não tenho que parar de beber – respondi acendendo um cigarro e terminando meu segundo copo.
- Já vai beber o terceiro! Você precisa de ajuda! Vamos à igreja, Fernando! É um bem que você faz a si mesmo!
- Pára de me chamar pra ir naquela merda! Caralho de cara chato!
- Eu não vou desistir de você, assim como Jesus nunca desistiu de mim.
- Amigão, Jesus desistiu de mim há anos! Desista! – falei girando o cigarro, fazendo espirais de fumaça.
- Não. Eu te amo – me olhou com olhar sereno.
- Que porra de olhar é esse?
- Eu amo você, Fernando. Amo sua alma. Não quero que ela vá pro inferno. Só não amo seus pecados.
- Já chega! – levantei do sofá – Você ta com veadagem pro meu lado! Uma coisa é ser cristão, outra é ficar de papo bicha pro meu lado. Não preciso do seu amor! Só preciso da outra metade das despesas desse apartamento. Dispenso seu amor, preocupação, pena, piedade e o caralho a quatro!
- Você tem coração de Pedra, Fernando. Coração duro como o de Faraó quando não quis deixar o povo de Deus sair do Egito.
- Seria bom se ele tivesse eliminado todo aquele povo. O mundo seria outro!
- Libertino e pecador, né? Assim seria o mundo!
- Amém!

Peguei a garrafa que apenas continha dois dedos de bebida e a levei pro quarto. Apaguei o cigarro no cinzeiro de motel que um dia roubei e voltei para a sala.

- Cadê a conta, Aristeu?
- Você não quer aceitar Jesus como seu senhor e salvador?
- Não, eu quero a conta.
- Você precisa de Jesus!
- Olha aqui seu filho da puta, eu quero que Jesus vá tomar no cu, me dá a conta – intimei levantando a gola de sua camiseta.
- Me larga! Eu vou chamar a polícia!
- Se você não me der a conta, vou te acusar por extravio de correspondência!
- Faça o que quiser! Mas eu vou chamar a polícia!

Ergui minha mão direita e encaixei um soco na cara dele.

- Fernando! Pare! Me solta!
- Cadê a minha conta! A internet está cortada e preciso do número do protocolo para pedir que eles conectem minha internet de novo!
- Pra quê internet? Pra quê isso?
- Pra entretenimento, comunicação e trabalho. Ah! E pra você bater punheta também!
- Você precisa de libertação! Jesus pode te libertar, sabia?

Encaixei um bom murro em seu fígado. Aristeu deu um salto para trás e desvencilhou do meu domínio. Corri atrás dele e lhe passei uma rasteira por trás. Ele tropeçou e ralou o joelho.

- Me deixe! Pelo amor de Deus! Você está bêbado!
- Aristeu, qual é o problema? Onde você escondeu a conta?
- Jesuuuuuusss! – clamou histericamente.
- Puta que pariu, que crente idiota!
- Isso é preconceito!
- Cala a boca!

Ele ainda estava deitado de barriga para cima e assim acertei a boca dele com um cruzado de direita. Das gengivas brotou sangue.

- Jesus, estou sofrendo pela sua palavra! Me ajude!
- Eu estou te batendo pela conta da internet! Não pela bosta da palavra de Jesus!
- Glória a Deus!

Enquanto ele se vangloriava de seu momento de martírio cristão, acertei dois tabefes em sua cara, deixando-a vermelha como uma manga madura. Ele permanecia em seu estado de júbilo enquanto eu começava a me cansar.

- Olha aqui Aristeu. Seja coerente. Por mais que a internet seja a besta e tudo mais, na bíblia diz que as pessoas adorariam a besta, não é?
- É sim – Aristeu concordou com poucas lágrimas deslizando pelas maçãs de seus rostos.
- Então, deixe que eu adore a besta!
- Não onde eu moro!
- Mas eu também pago! Se eu quiser adorar ao bode satânico eu posso!
- Você não faria isso!
- Faria. Só por pirraça! E ainda beberia o sangue dele! Ou só os crentes podem se banhar com sangue de cordeiro?
- Mas é o cordeiro de Deus!
- Foda-se.

Aristeu olhou para a gaveta da cômoda que fica na sala e fez sinal para que eu a abrisse. Abri prontamente e vislumbrei diversos livros. Apontou para um dos livros. Quando o abri, lá estava a conta da internet, com a autenticação do meu pagamento.

- Obrigado Aristeu. E vá limpar esse sangue.
- Você ainda vai mudar. Tenho certeza. Ah! E da próxima vez que me bater, vou acionar a polícia.
- Não importa. Deixa eu ligar pra central e confirmar o pagamento.

Peguei o telefone e liguei para a central de atendimento. Quinze minutos a internet conectou novamente. Sentei enfrente ao computador e tirei o atraso virtual, respondendo scraps, e-mails e lendo as últimas notícias da música.

- Céus, o Aristeu um dia vai ser internado num manicômio. Que cara louco! Marca da besta... – pensei enquanto um site demorava a carregar.

Ao anoitecer, liguei o som e coloquei o Dark Side of the Moon do Pink Floyd. Acendi mais um cigarro e finalizei os dois dedos de whisky que permaneciam na garrafa. Às duas da manhã, enquanto pegava no sono, ouvi barulho de teclas sendo tocadas. Levantei bruscamente e abri a porta lentamente.

- Porra! – sussurrei com raiva, pois havia batido a canela na quina da cama.

Olhei pela fresta e vi o monitor ligado. Aristeu estava apenas vestido em seu pijama, com postura encurvada e o rosto bem próximo ao monitor. Sua mão esquerda estava dentro da calça, em seu pau e a direita alternava entre o teclado e o mouse. Forcei um pouco a vista e visualizei cenas bizarras de sexo. De tempo em tempo ele olhava para trás e para os lados para se certificar de que eu não estava por perto. Olhei para a mesa da sala, a bíblia estava aberta, ao lado de um copo de água. Desisti da idéia de flagrá-lo e voltei para a cama, passando a mão na canela machucada. Peguei no sono minutos depois – eu estava consideravelmente bêbado – e Aristeu continuava na sala, abafando até os pigarros, tentando fazer o mínimo de barulho possível. Ao acordar, lá pelas onze da manhã, Aristeu estava dormindo no sofá, devidamente vestido com seu pijama. O cansaço da discussão e da epopéia pornográfica da madrugada o fazia babar muito e roncar de forma moderada. Olhei para a bíblia na mesa e ela estava aberta no livro de Apocalipse, capítulo 21, versículo 8.

"Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte"

No final das contas, o mentiroso terá o mesmo lugar que o homicida.

- Como isso pode ser chamado de justiça? – pensei ao pegar o copo vazio que ele deixou na mesa.

Ao me dirigir para a cozinha, olhei Aristeu em repouso, inofensivo. O sono do perverso, do mentiroso. Até quando?

- Todo homem tem seus segredos. E como já dizia a bíblia, não há segredo que não venha a ser revelado. Pobre Aristeu. Pobres crentes – pensei, abrindo a torneira para lavar a louça.

4 comentários:

Gordinha disse...

Cara, isso me lembrou numa cilada que eu cai de um crente, ele me falou que ia ensaiar com uma banda gospel que eles tocavam várias músicas legais.
Terminei a noite num culto, com um monte de crente berrando e o pastor falando que evangelizou um centro de "macumba" inteiro !

Foooogeee que é cilada Binoooo !

a disse...

po cara .
vc pesquisou as frases prontas dos crentes ou da pra fazer download de uma lista dela ?
ahaha muito bom

J. Schweickardt disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiago disse...

Sem duvida nenhuma o melhor conto que vc já escreveu...e posso falar com uma certa autoridade...hehehe

Abraços....